Você está em Biografias

Pauli

Wolfgang Ernst Pauli

Wolfgang Ernest Pauli nasceu em Viena, na Áustria, no dia 25 de abril de 1900. Foi importante físico e trabalhou na teoria do spin dos elétrons. Filho de Wolfgang Joseph Pauli e Berta Camilla Schutz.

Estudou no Doblinger Gymnasium em Viena, graduando-se com honra em 1918. Dois meses depois publicou seu primeiro ensaio científico sobre a Teoria da Relatividade Geral de Albert Einstein.

Doutorou-se em 1921 na Universidade Ludwig-Maximilian de Munich. Trabalhou com Arnold Sommerfeld. Sua tese era sobre a teoria quântica da molécula de hidrogênio ionizada. Sommerfeld propôs a Pauli a revisão da parte de relatividade. Depois de receber o doutorado, cerca de dois meses, Pauli completou o artigo com mais 237 páginas e foi muito elogiado por Einstein. O trabalho foi publicado como uma monografia e até hoje é referência sobre o assunto.

Trabalhou um ano na Universidade de Gottingen como assistente de Max Born. Na universidade de Hamburgo, ficou entre 1923 a 1928 como conferencista. Foi nesta época que desenvolveu seu trabalho sobre mecânica quântica moderna. Formulou o Princípio da Exclusão  e a teoria dos spins.

Em 1929, Pauli deixou de ser Católico e neste mesmo ano casou-se com Kathe Margarethe Deppner. Em menos de um ano, divorciaram-se. Em 1931, começou a consultar-se com o psiquiatra e psicoterapeuta Carl Jung e começou a interpretar seus sonhos e tornou-se um dos melhores estudantes de psiquiatria.

Em  1928, foi indicado professor de Física teórica na Intituto de Tecnologia de Zurique, na Suíça. Manteve contato com professores da Universidade de Michigan em 1931 e com o Instituto de Estudos avançados em Princeton em 1935.

Em 1934, casou-se com Francisca Bertram. Tornou-se cidadão alemão em 1938 e por causa da Segunda Guerra Mundial foi para os Estados Unidos em 1940. Foi professor de Física teórica em Princeton. Com o fim da guerra em 1945, retornou à Zurique.

Em 1945 recebeu o Prêmio Nobel de Física pela descoberta do Princípio de Exclusão de Pauli. Foi nomeado para o prêmio por Einstein. Em 1958, recebe a medalha Max Planck.

Neste mesmo ano descobriu um câncer no pâncreas. Quando seu último assistente, Charles Enz, foi visitá-lo no hospital, Pauli perguntou: “Viu o número do meu quarto?” Era 137. Pela sua vida, Pauli mostrou preocupação do por que a constante da estrutura fina, uma constante adimensional, com valor próximo a 1/137.

Pauli morreu naquele quarto no dia 15 de dezembro de 1958.

Como referenciar: "Pauli" em SóQ. Virtuous Tecnologia da Informação, 2008-2018. Consultado em 16/07/2018 às 23:07. Disponível na Internet em http://www.soq.com.br/biografias/pauli/